Gurgel e seus automóveis a frente de seu tempo

Sim, este autor que vos fala é apaixonado por carros desde que, quando criança, assistia Airton Senna correr na Fórmula 1.

Toda essa paixão despertou, obviamente, o interesse por carros.

Foi uma questão de tempo até conhecer os modelos nacionais, fabricados no Brasil por empresas brasileiras. Muitas eram apenas fuscas e opalas repaginados, mas havia uma montadora que se destacava das demais: A Gurgel.

O Início de um Sonho

Fundada em 1969 pelo engenheiro João Augusto Gurgel na cidade de Rio Claro, SP, começou sua produção fabricando karts e minicarros para crianças.

Entretanto, João Gurgel sonhava que um dia, o país teria um automóvel 100% nacional. Chegou a apresentar a ideia de um carro popular para seu professor na faculdade, mas foi ignorado.

Mesmo assim, não desistiu e seguiu adiante. Nascia, então, o Gurgel Ipanema, com design exótico chamativo e mecânica Volkswagen.

Gurgel Ipanema 1200
Gurgel Ipanema 1200

Uma característica marcante nos modelos da fábrica é que sempre tinham nomes que homenageavam tribos indígenas.

O Sucesso do Xavante

Gurgel Xavante X 10
Gurgel Xavante X 10

Até o início dos anos 1980, a maior parte da população brasileira vivia na área rural, onde as estradas e até rodovias eram extensos caminhos feitos de terra, lama e buracos.

Quando a Gurgel lançou o Xavante, em 1973, esse era o cenário que ele haveria de enfrentar, o que aliás, fazia muito bem.

Sua altura em relação ao solo, mecânica simples (Volkswagen a ar, do fusca) e as pás (!!!), com as quais vinha equipado o tornavam ideal para enfrentar os terrenos mais difíceis.

Sua versatilidade em terrenos difíceis levou o Exército Brasileiro a fazer uma grande encomenda para a fábrica, o que impulsionou o desenvolvimento do modelo.

Gurgel Xavante Exército Brasileiro
Gurgel Xavante Exército Brasileiro

Carrocerias originais em fibra de vidro

Apesar de utilizar a mecânica do Fusca em seus veículos, as carrocerias eram todas produzidas pela Gurgel.

Produzidas em fibra de vidro, tornavam o veículo mais leve, mais econômico mais resistente à corrosão.

Tamanha originalidade, associada ao seu sucesso no país levaram os jipes brasileiros ao Salão do Automóvel de Genebra, na Suíça em 1979.

Primeiro compacto totalmente nacional

gurgel BR 800
Gurgel BR 800

Somente na década de 1980 que o sonho de João Augusto Gurgel se tornaria realidade através de suas próprias mãos. Em 1987, era lançado o Gurgel 280, com motor próprio e produção totalmente nacional.

Seu motor era, basicamente, meio motor de fusca, mas refrigerado a ar, capaz de chegar a 31 cv de potência, o que era suficiente para o mini automóvel.

Primeiros modelos elétricos nacionais

Gurgel Itaipu E150 Elétrico
Gurgel Itaipu E150 Elétrico

Mesmo enfrentando dificuldades tecnológicas, a Gurgel chegou a projetar dois modelos elétricos chamados de Itaipu.

O modelo E150 era um mini carro popular com exótico design piramidal.

Já o E400 era um furgão, mais robusto e com um desenho bem futurista.

Seu motor elétrico de 8 KW (11 cv) era suficiente para impulsionar os protótipos, entretanto, as grandes e pesadas baterias da época não ajudavam.

Durante os testes, o consumo dos veículos elétricos da Gurgel chegou a ser equivalente a rodar 90 km com um litro de combustível.

Gurgel E400 Itaipu Elétrico 1982
Gurgel E400 Itaipu Elétrico 1982

Considerando a tecnologia da época , como o fato de não haver baterias de lítio no mercado, podemos dizer que, certamente, são bons números para um veículo elétrico.

Porém, alguns fatores inviabilizaram o projeto, como por exemplo, a autonomia de apenas 80 km, pouco para os longos trajetos que ele precisaria percorrer.

Concorrência, dívidas e fechamento.

Com o fim da ditadura militar, o país começou um movimento de abertura econômica em que o governo facilitou a entrada de veículos estrangeiros e de multinacionais.

Além disso, a recente urbanização do país reduzia a demanda pelos jipes da marca.

Atolada em dívidas, sem incentivos do governo e sem conseguir competir com os novos modelos que chegavam, a fábrica, então, acabou fechando as portas no final de 1994.

Você conhecia a Gurgel? Qual carro achou mais exótico bonito? Conta nos comentários.

Fonte: Portal São Francisco.

Comenta aí, vai?