Casal largou tudo para sair Vivendo Mundo Afora

Moradores de Joinville – SC, o casal Otaviano e Vanessa deixaram carreiras profissionais promissoras para tornarem-se nômades modernos. Mas como isso aconteceu?

Motivação

Tudo começou quando eles já eram um casal que morava junto e decidiram abrir uma empresa, o que fez com que os dois ficassem juntos vinte e quatro horas por dia.

Para muitos, um difícil teste de resistência, mas para eles, a constatação de que a convivência entre os dois, apesar de não ser perfeita, era muito boa.

Quando a empresa passou por dificuldades e teve que fechar, ambos então voltaram ao mercado de trabalho. Otaviano voltou a trabalhar em uma multinacional, enquanto Vanessa foi chamada por um concurso público na área da saúde.

Entretanto, a estabilidade profissional não trouxe a realização pessoal que ambos queriam. O casal sentia que algo estava faltando, estava incompleto.

“In pastel, veritas!”

Certo dia, os dois saíram para comer pastel em uma lanchonete perto de onde moravam, onde encontraram (e folhearam) o livro “Mundo por Terra”.

A publicação relata a aventura de um casal de viajantes que decidiu conhecer o mundo a bordo de um jeep adaptado como casa (o famoso motorhome).

Folhear aquele livro foi o que inspirou o jovem casal a viver a sua própria aventura de volta ao mundo. Começava então, o planejamento da aventura.

Período de testes

Por serem um tanto cautelosos, decidiram fazer viagens curtas com um motorhome para adquirir experiência. O veículo escolhido foi um caminhão Agrale 1989 batizado de “Brutus”.

Apesar de robusto e espaçoso, o caminhão era bem antigo e as peças eram difíceis de encontrar (mesmo sendo fabricado no Brasil). Os altos custos com oficina levaram os aventureiros amadores a vender o veículo e procurar outro meio de viajar.

Surge o “Vivendo Mundo Afora”

Durante a elaboração do projeto, Otaviano e Vanessa perceberam que haviam muitas pessoas viajando pelo mundo de carro, mas com objetivos diferentes do que eles pretendiam. Resolveram então tentar algo diferente.

Otaviano e Vanessa editando vídeos durante a viagem
Otaviano e Vanessa editando vídeos durante a viagem

Em vez de focar a aventura em escrever um livro por exemplo, os dois decidiram compartilhar sua experiência de volta ao mundo através de vídeos postados em seu canal no Youtube: Vivendo Mundo Afora.

Como a renda de propagandas dos vídeos não seria suficiente, decidiram criar um grupo de apoiadores, que recebe atualizações da viagem em tempo real (os vídeos tem delay por questão de segurança).

Faltava para o casal resolver qual veículo utilizariam na viagem, mas qual veículo escolher?

Prazer, Maria Eugênia

Esse é o nome da Kombi 2004 a gasolina escolhida por eles para ser sua casa e seu meio de transporte pelo mundo.

Sim, a “velha senhora” foi a escolha do casal. A mecânica simples e o espaço interno chamaram a atenção.

Kombi "Maria Euênia" - Vivendo Mundo Afora
Kombi “Maria Euênia” – Vivendo Mundo Afora

Começaram então a construção dos móveis, instalação elétrica, colagem de velcros e tudo mais que era necessário para adaptar o carro à aventura.

Toda a adaptação da Kombi custou ao casal cerca de vinte mil reais, mas devemos considerar que essas alterações foram feitas em 2015 e não consideram o valor pago pelo carro em si (cerca em R$ 17.982,00 pela tabela FIPE).

Uma aventura em fases

Tudo preparado, Vanessa e Otaviano iniciaram então sua aventura percorrendo o Brasil e visitando 23 dos 26 estados, rodando 50 mil km, dormindo em postos de combustível, concluindo assim, a primeira fase do projeto.

Em 2019, o casal aventureiro iniciou a segunda fase onde percorrerão as Américas de sul a norte. O objetivo é chegar aos extremos do continente, desde o Ushuaia até o Alasca.

Como esperado, a pandemia acabou atrapalhando os planos dos dois, que já estavam nos EUA tentando conseguir visto para o Canadá.

Mas como bons brasileiros, não deixaram a peteca cair e continuaram a produção de conteúdo.

Esperamos que a vacina chegue o quanto antes e tudo volte ao normal o mais breve possível, para que todos nós possamos viver as nossas aventuras.

Comenta aí, vai?